Livraria no Mercado de Verduras

Livraria

Mercado_de_Olhão.jpg

A relação entre cinema e literatura é próxima e promíscua, como podemos ver ou ler em Duras, Antonioni, Pasolini ou na defesa de Bazin de um cinema impuro, da promiscuidade espiritual dos actos falhados. 

Cada tecnologia narrativa fragmenta a matéria, promove outros investimentos e outra subjectividade, em suma, outros corpos e outras (pequenas!) mortes, que encontramos em Deleuze, Rouch, Morin ou Schaffer.

Podemos dizer que da mesma maneira que a literatura produz cinema, o cinema produz literatura, (que encontramos na poesia de Herberto Helder ou António Reis, como na narrativa de Bioy Casares; em Bergman e Pintilie - entre o palco e o ecrã-, na dança de Pina Baush ou na fotografia de Cindy Sherman). 

A livraria que propomos, nesta curadoria, para além de situar o cinema no chamado campo ampliado da arte, situa-se no Mercado das Frutas e Legumes de Olhão, isto é, entre outras culturas, no fundo, outra montagem de atrações, como queria Eisenstein.

Por último apontamos para uma nova materialidade, para o minimalismo da experiência quotidiana, do que alguns chamam “global art cinema” (Bordwell e Thompson) que, por excesso, prescinde de introdução, transição ou conclusão.

Para além de livros sobre teoria de cinema, na livraria encontraremos títulos de literatura e ensaio, muitos nos quais, os filmes do Ficlo, se inspiram ou se baseiam. A cada edição o catálogo mudará consoante a programação. 

De tarde, a Livraria do Mercado duplicar-se-á na editora Sul, Sol e Sal.

Mercado_de_Olhão Verduras.jpg